Ocorreu um erro neste gadget

O Homem

O Homem

Daniel FV 30/08/10



Subiu o monte para ver o que se via
Quase não sentia nada, a não ser a profecia


Tentou orar por esta raça tão perdida
Entregou seu próprio corpo, o seu sangue, sua vida


O que mais tem que fazer por esta raça?
Que quer tudo tão entregue, tão corrido e de graça


Foi mandado e cumpriu com sua missão
Tendo visto o seu sermão, morte e glória em paixão


Agora tudo em mãos humanas se consome
Nosso lar, o sentimento. Sua sina o seu nome


Oh! Meu Jesus, deixa tudo como está!
Pois se o homem quer a luz, ele tem que se curar!



.

Na Mata

Na Mata

Daniel FV 29/08/10


Pé na estrada para casa
A 100 por hora, longe agora
A estrada lá em brasa
Lá no nada a alma chora

Que saudades lá da mata
Da rotina tão tranquila
Sem pensar em hora ou data
É aquela calmaria!

Já tão perto lá de casa
Os olhos fitam a cidade
E com a cabeça em brasa
Volto à sobriedade

Como é triste essa vida
De cidade e solidão
De rotina tão corrida
Que me assola o coração

Como é bom ficar na mata
Onde cheira a capim
Longe dessa vida ingrata
Onde eu não vivo assim

Como é bom ouvir a mata
Onde canta o carijó
Longe dessa vida ingrata
Tanta gente e eu tão só!


.



Vitória

Vitória

Daniel FV - 27/08/10



Desde que veio ao mundo
Veio com um sorriso
E foi preciso lutar
Lutou sem prévio aviso

Lutou até que caiu
Caiu quando foi preciso
Não caindo no esquecimento
Levantou-se de improviso

Caiu, mas sempre lutou
E sem desfazer o sorriso
Levantou e manteve a luta
E venceu sem prévio aviso

.

Andanças

Andanças


Daniel FV 17/08/10

Do que já estava traçado
Tudo surge como sabido
E nos passos do meu passado
Corro atrás do tempo perdido
Minhas letras não são tão finas
E rudes parecem ser
Pois sou um caipira de Minas
E em Minas quero viver
Minas, terra de glória
De fé, de luta e esperança
De gente que fez história
Terra de minhas andanças


.

Folclore


Folclore
Daniel FV 13/08/2010


Pelas bandas de lá se dizia
Que esse um dia se pôs a raiar
Alheio àquela agonia
Foi bem pelas bandas de lá

Quando o frio da noite cessou
Com o primeiro raio de sol
O boato então se espalhou
Tal qual chamas em um paiol

Não se soube o que era ao certo
Sem saber se era bom ou ruim
Por cismar em estar por perto
Encoberto isso chegou ao fim

Não mais se diz o que houve
Pelas bandas do matagal
Se era coisa viva da terra
Ou coisa nada natural!






Reminiscências

Reminiscências

Daniel FV - 05/08/10


Quando a noite pesar-te aos olhos, meu bem
Entrega-te ao que a noite tem
Se o sono teimar em não chegar, querida
Esquece a ingrata vida
Não temas que os sonhos já vêm
Com a leveza de quem te quer bem
Fecha logo esses seus olhos
E esquece dos imbróglios
Dos encontros, desencontros
e dos contos de outrora
Daquilo que ocorreu
desde sempre até agora
Embarca no trem de Morfeu
E esquece o que aconteceu

Ruminanças IV



Bom dia, leitores.
Hoje me bateu uma vontade de falar de uma cidade!
Bem que eu poderia falar de Bom Despacho, mas não hoje...
Hoje vou falar de Mansópolis, uma cidade que venho conhecendo nos últimos
28 anos.

Mansópolis é uma pequena cidade localizada no estado de Espírito, sem nação.
É uma cidade com seus quarenta e cinco mil habitantes, sendo que a maioria
tem uma característica em comum... aliás, duas! O gosto pelo ato de
reclamar (resmungar, se queixar) e a tendência à inércia (imóvel).

Os mansopolitanos são pessoas pacatas, acomodadas, só se movem quando
o assunto é festa (que também incrivelmente geram queixas).

As maiores fontes de renda da cidade são os bares, os butecos e as biroscas.
Os jovens capacitados têm muitas possibilidades de emprego, especialmente
trabalhando como militares e administradores de empresas (bares, butecos
e biroscas).

Outro dia o Joãozinho, mansopolitano médio, com algum resquício de boa
vontade, me contou sobre um fato inusitado ocorrido na pacata cidade.
Tudo gira em torno de uma rifa e uma possibilidade de fazer a diferença
para os mansopolitanos carentes, mas o plano quase não saiu do papel,
não fosse o dinheiro dos poucos mansopolitanos de boa vontade...
mas isso é assunto para outra viagem!

ps: Obrigado aos poucos mansopolitanos que ajudaram e adquiriram suas rifas.
O projeto vai ser tocado graças a vocês! Os outros mansopolitanos irão
desfrutar do fruto de vosso dinheiro, mas provavelmente irão reclamar!